Neste dia, 60 anos atrás, nascia a nova capital nacional. Essa é uma data importantíssima para anotar e estudar, porque a construção da cidade e a mudança de capital, do Rio de Janeiro para lá, simbolizou um grande marco na história do país. Além dos 60 anos de Brasília, há outras datas tão relevantes quanto para este ano, as quais você, vestibulando, precisa estar atento, pois os exames adoram lançar mão de tópicos assim nas provas.

Projetada por Lúcio Marçal Ferreira Ribeiro de Lima Costa, com edifícios arquitetados por Oscar Niemeyer, Brasília foi construída no contexto do plano de desenvolvimento do governo de Juscelino Kubitschek, cujo slogan era: “50 anos em 5”. Para quem pensa que a data da sua inauguração, em 1960, foi escolhida ao acaso, ledo engano: “o novo centro de decisões da República viria ao mundo oficialmente no Dia de Tiradentes, 21 de abril, símbolo da luta pela independência e pelos valores republicanos no Brasil” – afirma o Memorial da Democracia. Na época da inauguração, no entanto, a cidade não estava totalmente pronta. Alguns órgãos começaram a operar na nova capital apenas na década de 70.

Foto: Arquivo Público do DF

Outros fatos históricos que fazem aniversário em 2020:

30 anos do Plano Collor

Instituído em 1990, o novo pacote econômico denominado Brasil Novo, popularizado como Plano Collor, foi uma tentativa de o governo de Fernando Collor de Mello conter a inflação que chegava a 84% após outros três planos econômicos falhos (Cruzado, 1986; Bresser, 1987, e Verão, 1989). Dentre outras medidas, o plano instituía a troca de moeda (do Cruzado Novo para o Cruzeiro) e o bloqueio das cadernetas de poupança. Da noite para o dia, no chamado “overnight”, 80% do dinheiro dos brasileiros aplicados em cadernetas de poupança, contas correntes e aplicações financeiras ficou retido pelo Banco Central por 18 meses. O Plano Collor, não muito bem-sucedido, tentou novas medidas, em 1991, com o Plano Collor II, que também sucumbiu e deu lugar, em 1994, ao Plano Real, em vigência até hoje.

30 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente

Em 13 de julho de 1990, era promulgado o Estatuto da Criança e do Adolescente. Dessa forma, crianças e adolescentes passaram a ser considerados pessoas. O Estatuto inovou ao trazer um conjunto de leis próprias do país, os princípios aprovados na Convenção sobre os Direitos da Criança – aprovado e assinado pelo Brasil na ONU. À época, foi considerado um conjunto de leis progressista, tornando-se referência aos outros países da América Latina.

75 anos do Fim da Segunda Guerra Mundial

Oficialmente, em 2 de setembro de 1945, acabava a Segunda Guerra Mundial, que havia iniciado em 1939 e envolvido países de todos os continentes divididos entre Aliados e Eixo. Alguns tratados de paz foram logo estabelecidos, dentre eles: a Conferência de Teerã, a Conferência de Yalta e a Conferência de Potsdam. Outro importante passo dado nesse momento, foi a assinatura, por mais de 50 países, da Carta das Nações Unidas, o que daria impulso para a fundação da Organização das Nações Unidas (ONU).  

Foto|Reprodução: National Geographic

90 anos da Revolução de 1930

Descontentes com a forma como o então presidente Washington Luís estava conduzindo a questão sucessória no país, demonstrando claramente o interesse pelo paulista Júlio Prestes e a continuidade de alguns padrões e políticas que já desagradavam a muitos estados, Minas Gerais e o Rio Grande do Sul aproximaram-se para organizar uma aliança, a Aliança Liberal, candidatando políticos como o gaúcho Getúlio Vargas e o paraibano João Pessoa para o cargo, respectivamente, de presidente e vice-presidente.

Foto: FVG | CPDOC

Após algumas retrações dos movimentos da Aliança, o mesmo ganhou fôlego com o assassinato de João Pessoa, em julho de 1930. E, então, em 24 de outubro, Washington Luís foi deposto e, em seu lugar, subiu ao poder uma junta governativa, que, em breve, seria substituída por Vargas, dando início a Era Vargas.

MATRICULE-SE AGORA